segunda-feira, 27 de abril de 2009

Dia Nacional do Teatro de Bonecos


Recebi essa notícia de um leitor aqui do blog, Marcelo Vivan, que achei muito legal e publico na íntegra!

Quem nunca riu como criança assistindo um grupo de fantoches? Ou se emocionou com os movimentos extraordinariamente humanos de bonecos que pareciam mover-se sozinhos? Oficialmente comemorado no dia 27 de abril, data de fundação da Associação Brasileira de Teatro de Bonecos, o Dia Nacional do Teatro de Bonecos será lembrado em Belo Horizonte neste domingo, com espetáculos gratuitos na Praça do Sol (Parque Municipal). A celebração vai das 10 até 13h.

Arte milenar, o teatro de bonecos mostra toda a sua versatilidade no evento, que tem desde marionetes e bonecos de luva a bonecões. Usando um caminhão-palco, os grupos e bonequeiros se revezam apresentando cenas curtas, que duram de 10 a 15 minutos.

Além das apresentações, o evento também conta com um desfile de bonecões, pernas de pau, caixas de teatro - inspiradas nos fotógrafos chamados de lambe-lambe - e mini oficinas.

A capital mineira vem se tornando ao longo dos últimos anos uma potência brasileira dos praticantes dessa arte.

Lar do grupo Giramundo, um dos mais consagrados do país, e de muitos outros grupos e bonequeiros, a cidade e o estado vêm incorporando o teatro de bonecos às suas políticas públicas de cultura e abrindo espaço para esse gênero das artes cênicas.

Cauê Salles, 42, é bonequeiro e membro da Associação de Teatro de Bonecos do Estado Gerais, que organiza o evento de hoje. Ele presenciou esta mudança de ares.

- Teve anos que a gente lamentou muito [o Dia Nacional do Teatro de Bonecos], sem vontade nem de ir para rua comemorar. Antes, a gente não conseguia apresentar espetáculos nos teatros públicos. Agora, disputamos os espaços quase de igual para igual - afirma.

Cauê conta que participou recentemente de projetos em que os bonequeiros circulavam pelas cidades mineiras não apenas apresentando espetáculos, mas fazendo oficinas e ensinando as técnicas e o lado artesanal da arte, que é a produção dos objetos de trabalho.

- Isso garante continuidade. Amplia a platéia desse tipo de teatro e deixa uma semente para o surgimento de futuros artistas - destaca o bonequeiro.

Salles chama atenção para as diversas possibilidades de uso do teatro de bonecos, que vão além das apresentações tradicionais. “Pode ser utilizado em terapias, no processo de alfabetização… o problema é que o mercado fatalmente vê a gente de uma forma muito setorial”, diz.

Outro entrave ao desenvolvimento da arte, na opinião do bonequeiro, é uma equivocada familiaridade que as pessoas têm com o teatro de bonecos. “Falam assim: ‘Ah, já mexi com teatro’, ‘eu sei fazer também’, sem compreender a complexidade da coisa”, argumenta.

Empolgado, o bonequeiro dá uma rápida aula sobre as diferentes técnicas de teatro de bonecos:
- Existem técnicas de bonecos de fios (as marionetes); luva (com dedo ou mão); manipulação direta; vara colada em baixo ou em cima do boneco; boneco habitável; gatilho (feito com mola); bonecos de sombra e boneco com corpo deslocado (mão fantasma). É possível também juntar uma técnica com outra e descobrir outros resultados - explica.

Aproveito a deixa para comentar como ele se sente sabendo que o público que assiste aos espetáculos não percebe toda essa complexidade.

- É bacana quando desperta uma curiosidade para isso, mas o público que vai ver não precisa saber que o bailarino ficou ali horas e horas… o que importa é a perfeição e o encantamento. Quando a gente vê que a coisa é boa, não precisa de legenda.



2 comentários:

Fred disse...

Parabéns ao Teatro!

Ramon Faria disse...

cara!! sou de BH.. acabou de ter o festival internacional de teatro de bonecos.. aqui é mto bom pra quem gosta desta área.. eu que trabalho com stopmotion, tiro mta ideais do giramundo, catibrum e etc! um abraço!
ramon.faria@ig.com.br