segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

GRAVANDO O MÉDICO DOS MORTOS!


Muitas pessoas aqui e no Twitter me perguntaram como foi a experiência de fazer o Doutor Caravelas no NERDCAST 342 – AUDIO DRAMA – T-ZOMBII: A GRAVAÇÃO DOS MORTOS.

Eu sempre quis fazer um áudio drama com naturalismo absoluto e essa história de terror ao mesmo tempo fantástica e realista foi uma excelente oportunidade. A preparação começou com uma conversa com os amigos Alexandre e Deive, do Jovem Nerd, com o irmão Léo Lopes (que genialmente sonorizou toda a nossa aventura) e o envido do texto brilhantemente escrito pelo Fábio Yabu. Li pelo menos umas 3 vezes, com cuidado, absorvendo cada passagem de tempo do personagem e do que estava acontecendo ao seu redor. A qualidade na descrição das cenas, das motivações e das idiossincrasias, virtudes, falhas e fraquezas dos personagens estava muito bem explorada, de uma forma honesta, direta. Yabu, como sempre, se dedicou e pesquisou muito, assistiu vídeos de autópsias e fez o dever de casa direitinho. O próprio Alexandre (Jovem Nerd) comentou que ele parecia uma máquina escrevendo, todo entusiasmado com o projeto. 

Na decisão técnica da gravação da mecânica das cenas, após conversar com o irmão Léo Lopes, procurei me posicionar como Caravelas estaria na vida real, em seus afazeres, dissecando cadáveres e seguindo com suas ações rotineiras do dia a dia. Imaginei como ele moveria seu corpo, como falaria ao gravador, como seria essa relação com o mesmo, que também acaba se transformando em um personagem da história, sendo uma máquina de confidências e testemunha fria das atrocidades que acontecem ao redor do pobre médico. Se Caravelas estava analisando algum corpo em cima da mesa, eu me posicionava da mesma forma, fingia que existia uma mesa na minha frente, calculava a altura e o comprimento da mesma e deixava o gravador ao lado ou passando de mão em mão, como um médico faria, para se apoiar e reclinar o seu próprio corpo, se aproximar ou afastar do morto que estaria observando ou estudando. O Caravelas não poderia passar experiência como um ator ou dublador teria, de não deixar o som ficar rachado, com pops e pufs na gravação. Naturalmente você deveria escutar os dedos dele passeando pelo corpo do gravador, esbarrando em botões, no próprio microfone, a respiração descontrolada, etc. Em cenas de tensão, como nas que ele foi levado a força por guardas, eu gravei com dois colegas atores, que realmente me puxaram e me conduziram, comigo protestando, gritando. Ao observar os vizinhos, também me agachei e olhei a janela aqui de casa mesmo. Deitado na cama, me vi morrendo de sede, com a boca seca, fraco e com tonturas enquanto balbuciava palavras para a minha amada, com a mão tremendo. O ataque do Seu Francisco foi feito com um colega realmente me atacando, para passar a veracidade do deslocamento do microfone e os esforços de nossos corpos lutando. Tudo foi estudado e ao mesmo tempo tratado com um teor forte de caos, para jamais a técnica retirar a realidade dramática. 

A dicção de Caravelas deveria ser completamente natural, solta, falha, suja por vezes, como a de uma pessoa e não de um ator preocupado em ser entendido. Isso é de extrema importância e faz toda a diferença. Ritmos e velocidades da fala deveriam ser espontâneas, sem se preocupar com criação de clímax ou de melodias pré-concebidas. Na maior parte das vezes, diria que 90% das falas, eu fiz sem ensaio algum, gravei direto, para me possibilitar muitos erros, tropeços e tentativas naturais. Como eu já tinha lido previamente vários dias antes, quando estava efetivamente gravando, já tinha esquecido mais ou menos várias partes, o que era excelente pro resultado final. É extremamente irônico isso, um ator deve se preparar, se construir, para depois se desconstruir e deixar que o personagem o conduza pelas cenas. 

O grande segredo para se obter uma naturalidade nas falas do doutor Caravelas é simples e ao mesmo tempo complexa: você tem que buscar a VERDADE do personagem a todo tempo e sentir a realidade dos acontecimentos ao seu redor. Não basta imaginar "o Caravelas faria assim nessa situação" e sim vivenciar psicologicamente. O grande problema é quando um ator apenas dá as falas com intensidade programada, tecnicamente apenas, e não se entrega, não “se suja com a realidade”. Essa programação calculada sempre será sentida por um público sensível. Se o ator pelo menos faz com honestidade suas cenas, concentrado, dizendo as verdades que o personagem exige e que naturalmente puxa de você, a cena não funciona na cabeça do público. Ainda mais em um áudio drama, sem imagem, onde somente as vozes e a interpretação são os condutores, que abrem e fecham portas de possibilidades. 

Um detalhe curioso deste Nerdcast foram as reações dos ZUMBIS, que eu mesmo gravei. Devo ter feito mais de 20 minutos só de gritos, uivos, gemidos de sofrimento, frustração, lamento, medo, ódio e todos os sentimentos que um morto vivo deveria ter (eu acho). Fico imaginando se meus vizinhos não ficaram um pouco preocupados... 

Depois da publicação do Nerdcast, ao ver o feedback tão positivo e intenso dos fãs, com diversos depoimentos de pessoas assombradas com o nível de realismo, maravilhadas com a sonorização do querido Léo Lopes, com medo de muitas cenas e a comoção pelo sofrimento de Caravelas e de outros personagens, fiquei muito feliz. A conexão foi estabelecida e o público sentiu empatia pelo que estava acontecendo. Isso é de uma felicidade extrema para quem trabalha com arte. 

Como dizia Leon Tolstoi: "A arte não é um trabalho manual, ela é a transmissão de sentimento que o artista experimentou."

17 comentários:

Douglas Matos disse...

Parabéns Guilherme você foi impressionante nesse áudio-drama, espero que vocês façam vários outros desse tipo.

Nome disse...

CARALHO QUE FINAL DESGRAÇADO VIU!

Belíssimo trabalho!

Nome disse...

QUE FINAL MALDITO!

Belíssimo trabalho pessoal!

yarlla raquel. disse...

Muito bom! Gostei pra caramba!

Gabrel o/ disse...

O Áudio drama ficou perfeito, senti as emoções do Caravelas e a tensão que ele passava, Mis felicitaciones Sr.Briggs!

Francisco Alves disse...

Parabéns Guilherme
Resolvi escutar isso às 2 horas da manhã, resultado, fui dormir somente as 4:30 processando tudo que havia escutado.
E que roteiro do Fábio Yabu heim!
Parabéns a todos!

Guilherme Peace disse...

Sempre quis ser dublador, desde que assisti "O Rei Leão",a na infância, mas a vida me levou para o caminho do jornalismo. Sua voz, em particular, esteve em muitos dos meus personagens favoritos, o que me fazia imitá-lo (Até hoje fico imitando e gravando diálogos dos personagens que mais gosto). Já tinha consciência da sua capacidade de atuação, mas a chance de escutá-lo em um áudio drama completamente dependente da sua voz me fez ver o quanto é um ótimo ator. Me emocionei de verdade em diversos trechos. O texto de Yabu também é genial, assim como a sonoplastia. Mas foi a tua interpretação que transformou este Nerdcast em uma obra prima. Um grande abraço, de um grande fã.

stupidmonkey disse...

porra jailson!!!

Ira do Lobo disse...

Gosto muito de áudio-dramas, mas é muito difícil encontrar alguém que faça atualmente com o esmero e a dedicação que o pessoal da "Era do Rádio" fazia.
Mas o que vocês fizeram aqui foi algo notável. É muito difícil transportar para este gênero cenas de ação, como as lutas contra os zumbis, mas foi incrível o realismo.

E sua narração. Briggs, foi o ponto mais alto dessa obra. Não parecia que você estava lendo um roteiro, e sim que estava tirando cada lembrança, ponderação ou desabafo da sua cabeça, enquanto gravava. BRAVO!
(Se precisar de um figurante com diarreia no próximo, estou à disposição!)

Um grande abraço!

Diego Marques disse...

Ótimo trabalho Guilherme! Consigo sentir todo carinho que você tem com sua arte! Grande artista!

Como eu gosto de dizer, arte é a materialização de nossos sentimentos.

Abraços!

Irwing Junqueira Braga disse...

Parabéns guilherme, que você continue com seu trabalho fantástico.

BB disse...

Parabéns pelos trabalhos... Cara vc è fantástico ... To ouvindo nesse exato momento muito bom !

Talita disse...

Parabéns, adorei o audio drama, mtooo bom mesmo!

Sou sua fã, parabéns pelo seu trabalho!

Quartel Nerd ® disse...

Uau, realmente fantástico... já acompanhamos as postagens do Briggs há um tempo. E dá pra ver que ele se soltou, deixou fluir e o resultado não podia ser outro. A riqueza de detalhes auditivos é tanta que remete sem dúvida às radio novelas de qualidade, arriscando dizer que num nível acima.
Parabéns pelo trabalho nobre colega.

RSemente disse...


É já faz um tempinho que o negócio saiu, mas estou reescutando, Briggs. Isso para escrever um fanfic/spinoff, um diário T-Zombii. E achei uma coisa estranha: A penultima gravação do Dr. Caravelas é dia 3/2/2013, quando ele descobre que é imune. Depois quando ele vai testar ele pula de 2 de Fevereiro para 3 de Março. Isso foi feito proposital para mostrar o quanto ele estava perturbado e entusiasmado ou foi um erro. Isso por que no dia 21/01 quando ele come o primeiro cachorro, depois dia 1/02 ele pega novas pilhas, e logo de cara no dia 2/02 ele fala que matou outras coisas e confessa a traição. Parece que o estado emntal dele entre o dia 1/02 e 2/02 piorou muito, podendo ser que tenha pulado de fevereiro para março nesse ponto. E ai o que aconteceu de verdade? Simples erro, problema psicológico do Dr.?

Jubah.cn disse...

Para esse Nerdcast fiz exatamente como o Azaghal mandou.
Deitei no meu quarto escuro e pus o fone no ouvido.
Foi uma experiencia inigualável e amedrontadora, parecia que eu estava lá com o Dr. Caravelas gritando "Porra Jailsoon!", sentindo o desespero dele em todos os momentos.. e até sofrendo por ele ter matado o cachorro.

O final foi Maldito, tenho que dizer.
Fiquei com aquele sentimento de "que merda é essa".
Mas só dava pra ser um NerdCast né!?
Já que era pra ser assim, entendemos.

Parabéns a você, Briggs e a todos os envolvidos nessa obra!

Hallison Batista disse...

Guilherme,

Acredito que esse a premiação de dublagem deveria criar uma nova categoria: Melhor Áudio-drama Independente ou Melhor Produção Independente. E você, sem dúvida, ganharia.

Parabéns pela dublagem/interpretação. A edição de som feita pelo Radiofobia ficou sensacional.

Parabéns.