segunda-feira, 25 de agosto de 2008

O Crepúsculo do Super-Homem



Clique na imagem para ampliar!

11 comentários:

Infinito disse...

Não imagino o superman, de qualquer dimensão, fazendo tal coisa...

... Bem, talvês o russo de "foice e Martelo" ...

Hip-Hop is Life disse...

Muito Bom como sempre!

Guilherme Briggs disse...

Infinito, imagine como seria o contato de uma forma TRIDIMENSIONAL com uma forma BIDIMENSIONAL... seria assustador, imprevisível e até devastador. O Super-Homem animado (que seria o da Liga da Justiça) até suportava as ondas cerebrais, a presença tridimensional, mas imagine o resto dos humanos? Imagine um ser avançadíssimo entrando em contato com nossa civilização atual... o choque cultural é imenso. Tanto que o próprio Super animado comenta que "um pensamento do ser tridimensional poderia devastar um continente", tamanha força descomunal que este possuía. Por isso, ele não poderia arriscar. ;)

Mariana disse...

Isto me fez lembrar de quando eu estava estudando 'Cálculo Dealgumacoisa' e tinha uma conta de integral bem doida que poderia representar a area de um espaço tetradimensional... nunca entendi direito o que isso significava... só sei que passei na matéria :D

(Que bom que está de volta Briggs!! o/)

Anderson Ricardo disse...

Gostei muito, achei bonito como o super comenta que "um pensamento do ser tridimensional poderia devastar um continente", isso reflete no choque de cultural que o Briggs fala. Olha Briggs eu gostei muito que você tenha voltado com esses Blogs, embora ñ falando do mundo da dublagem, mas, abordando esse seu lado criativo e critico ok. Valeu ^^'

Deborah disse...

Que trágico!o.O
Já sentia falta desses teatrinhos...=D Acho que é de tanto assistir Achmed, mas isto não vem ao caso...
(Detalhe: precisei de dicionário pra ler, mas pelo menos já sei o que é singrar... ^__^ )
Um abraço!

Ricardo Mello disse...

Caramba! Essa foi realmente uma reflexão paradoxal do irreal e o impossivel. Mas vendo de maneira sociocritica e filosofica faz muito sentido o encontro de duas realidades (ou dimenções) diferentes, seria algo como um encontro com o seu eu que esta do outro lado do espelho, ou o seu eu que te representa no orkut, algo que foi criado com sua imagem e semelhança mas que de certa forma salva somente algumas qualidade ou caracteristicas, sem possibilidade de mudança de um estado brando para um estado critico a não ser apenas que o criador permita isso!
caramba me embananei todo. será qua alguma coisa que eu falei agora faz algum sentido pra alguém?
Oi Guilherme! Sou Ricardo Mello e sou um grande fan do seu trabalho artistico e criativo, fico feliz por vc dar novamente a oportunidade (apesar do tema ser bem outro) dos seus fans entrarem em contato com vc. Á algum tempo atrás eu criei um blog tbm para postar meus desenhos, e como eu sei q vc tbm desenha eu gostaria muito q vc visitasse meu espaço criativo e desse sua opinião sobre meus trabalhos.
um grande abraço e muito sucesso em sua carreira!

AKJaganMaster disse...

O_O

Que sinistro xD, a eterna luta de imaginar o inemaginavel xD.

Na arte os artistas descobriram como enganar a visão xP, mas por em prática já é outra história.

William Maglione disse...

Cara, que história Linda!!! Imagina o que se passou na cabeça do Clark BD, os conflitos internos que ele teve que enfrentar até que ele tomasse a desição mais correta que ele achou para salvar o seu mundo. Acabar com a sua contra-parte. O Seu Eu de outro mundo. Ele deve ter imaginado inúmeras coisas que eles poderiam ter feito juntos, mas pensou mais no mal que essa aliança poderia acarretar. Estas de parabéns Gui, por nos deixar desfrutar das tuas fabulosas criações, essas quais me divirto muito!!! Quando eu crescer quero ser igual a ti!!! Um abração e se cuida!!!

STROM disse...

Gui, esse texto foi bem desenvolvido e com um tom profundo. Senti um peso nos comentários e nas conclusões, me lembrou de um Super-Homem das antigas, um dos clássicos da DC feitos pelo John Byrne. Foi uma obra feita num dia chuvoso ou co a alma pesada, aguardando para se libertar e voar.

Estou sem palavras para descrever como estou satisfeito com esse teatrinho... Vejo que ele dá asas para uma verdadeira obra teatral!

O que você fez, na minha visão, foi dar vida a irmãos e ao mesmo tempo separa-los através de cortes filosóficos e físicos. Ao mesmo tempo que a linha de raciocínio criava uma analise, no plano físico era como um corte a seco com uma navalha. Parabéns!

Marcio Neves disse...

Nossa, bem legal. E isso me lembrou que dia 24/10 chega A Morte do Superman em DVD :D